Pedido de Colaboração

images3

O Rádio Clube Português vai realizar na próxima quinta-feira dia 5 de Março, às 11h da manhã, um programa acerca de jovens homossexuais nas escolas. Nesse sentido, gostaríamos de falar com pessoas que tenham vivido experiências de discriminação em meio escolar, para partilharem connosco a sua vivência.

Caso pretendam manter o anonimato, não existe qualquer problema, a vossa identidade não será revelada. O objectivo aqui é mostrar os problemas que existem a este nível, qual o ponto da situação, e o impacto que a discriminação tem na vida pessoal e académica de jovens estudantes. A participação no programa seria em directo (por telefone ou em estúdio, consoante preferirem), com vários intervenientes convidados e dois apresentadores. Agradeço desde já a vossa colaboração e pedia-vos que nos contactassem logo que possível.

As respostas deverão ser enviadas para Julie Oliveira: julieoliveira@mcr.iol.pt

Muito obrigada.

Cumprimentos
Julie Oliveira
Produção

Via email rede ex aequo

Anúncios

Toda a Verdade – Desafios – 2ª Parte

1 -Fui jogadora da selecção nacional de andebol. Verdade. Fui jogadora 7 anos, tendo jogado sempre na Selecção Regional. Por uma vez representei a Selecção Nacional.

2 – Já parti o braço que tenho os dois dedos partidos. Verdade. Parti o braço na porta do trólei quando ia para casa depois de um dia de aulas.

3 – Tenho uma pequena careca na cabeça. Verdade. Rachei a cabeça 5 vezes no mesmo sítio.

4 – Já sonhei que a Jolie era professora de português do meu filho. Verdade. Sem mais palavras.

5 – O meu filho, para meu desgosto, é benfiquista. Falso. Não seria um desgosto, mas o pikeno é portista.

6 – A  minha namorada é lésbica. Verdade. Esta era de caras.

7 – Tenho a minha casa sempre num brinco. Falso. Bem que apreciava que assim fosse. Só tenho a casa a brilhar  quando a minha querida Conceição faz o milagre todas as quartas-feiras.

8 – O piropo mais engraçado que já ouvi foi: “estás fresca como a alface”.  Verdade. Nesse dia estava vestida de verde alface.

9 – Nunca fui votar. Falso. Sempre cumpri com o meu dever cívico.

Estiveram perto. Obrigada por participarem. 😉

por estrelaminha Publicado em desafio

Venham as 5 manias

A menina Smile do Sinfonia do Horizonte, convidou-me para partilhar as minhas manias.

Aqui vão elas:

1 – Colocar a roupa a secar com molas da mesma cor.

2 – Quando estou a aguardar um atendimento, tenho tendência de caminhar para trás e para a frente.

3 – Só corto as unhas com tesoura.

4 – Nas conversações prolongadas ao telemóvel, tenho que me levantar.

5 – Quando termino a refeição cruzo os talheres para o lado contrário da maioria das pessoas.

As manias seguem para:

aLMA gÉMEA

DEUSA E RAINHA

Troca & Tintas

ViagemLes

Caixa de Pandora

por estrelaminha Publicado em desafio

5 Defeitos

defeitos

A menina Orquídea do NASCIDOS DO MAR, desafiou-me para enumerar 5 defeitos. Considero ser um desafio bastante difícil, pois não tenho a real noção dos mesmos. Espero ter elaborado uma lista isenta.

Aqui vai:

– Sou menina para não exteriorizar o que me importuna, levo as situações quase até ao limite para não me aborrecer. Sei que não é o melhor caminho mas é mais forte do que eu (só não digo é como termina isto tudo). ;-)

– Na minha vida pessoal penso demasiado em todos os assuntos que tenho pendentes.

– Quando pretendo uma coisa, sou tão chata, tão chata, tão chata que acabam por ceder e consigo aquilo que quero.

– Detesto ser comandada.

– Tenho a mania que sou boa. 😛

Vou pedir desculpa, mas como tem sido uma avalanche de desafios já me perdi, não sei quem já respondeu a este desafio e  quem já foi nomeado para o mesmo, sendo assim, pela primeira vez não nomeio ninguém, espero que não levem a mal.

por estrelaminha Publicado em desafio

Foi muito bom!

Pela primeira vez recebi a “famelga” nos meus aposentos e foi divinal!

casa

Visualizamos,mal , o jogo Benfica – Sporting, com muito fair-play e sem nada partido, pois há membros da clã dos 3 grandes.

Não há nada como boa disposição e diversão! Os jogos do Semáforo Louco (do que me fui lembrar 😛 ) e a cartada com o policia e ladrão, foi de chorar por mais. Ai que ia descambar. 😉

images11

Terminámos a noite no Batô.

Noite do Carnaval em Ovar.Tenho que agradecer a protecção e preocupação de todos os membros.

Não tirando o mérito a todas as mascaradas, não posso deixar de realçar o disfarce da Pioio, pois a  presença ofuscou tudo e todos com um disfarce digno de um Óscar. 😀

Desafios – 1ª Parte

A Adoa do CANÇÕES DA TERRA DISTANTE, desafiou-me para o seguinte:

Tenho de fazer nove afirmações, sendo que em três delas não estou a dizer a verdade. E ainda tenho de supor quais são as mentiras de quem me desafia.

Mesmo já sabendo quais as afirmações verdadeiras da Adoa, e não querendo fazer batota, teria escrito que as mesmas seriam a 4, 7 e 9, sendo este o meu pensamento quando fui visualizar em que é que se baseava o desafio.

Façam o favor de adivinhar as minhas três “petas” 😛 :

1 -Fui jogadora da selecção nacional de andebol.

2 – Já parti o braço que tenho os dois dedos partidos.

3 – Tenho uma pequena careca na cabeça.

4 – Já sonhei que a Jolie era professora de português do meu filho.

5 – O meu filho, para meu desgosto, é benfiquista.

6 – A  minha namorada é lésbica.

7 – Tenho a minha casa sempre num brinco.

8 – O piropo mais engraçado que já ouvi foi: “estás fresca como a alface”

9 – Nunca fui votar.

Ora bem, agora tenho que escolher nove vítimas, vamos lá:

A FLOR DO SOL ( Novamente 😉 )

FARTA DO ARMÁRIO

aLMA gÉMEA ( Mais um 😉 )

Caramelices

Doutrina de Um Coração Apaixonado

FIEL JARDINEIRA ( Toma lá mais este 😉 )

Sinfonia do Horizonte ( Novamente 😉 )

Troca & Tintas

ViagemLes

por estrelaminha Publicado em desafio

Desafio 7 pecados

Em resposta ao desafio da menina TRUE COLORS, aqui vai:

1 – Avareza – Não me identifico com este pecado.Se pecasse um pouco não me ficava nada mal. 😉

2 – Gula – Bem, este é um pecado que me fica a matar. Comida e bebida na mesa é sempre bem vinda e o pior de tudo é que aprecio quase tudo.

3 – Inveja – Aqui está um pecado difícil de assumir. Mentiria se não dissesse que em raras excepções, sinto um pouco de inveja.

4 – Ira – Em situações sem argumentos válidos e injustos, perco as estribeiras. Não sou pessoa de vinganças.

5 – Luxúria – Quando é possível.

6 – Preguiça – Dia sim, dia sim.

7 – Soberba – Arrogante, não. Orgulhosa quando já não há volta a dar.

Vamos lá nomear 7 pecadoras 😀 :

A FLOR DO SOL

aLMA gÉMEA

FIEL JARDINEIRA

NASCIDOS DO MAR

Procurar-se

Sinfonia do Horizonte

Criatura da Noite

É medo ou é falta de vontade?…

O CASAMENTO DOS HOMOSSEXUAIS

Maria José Nogueira Pinto
images2
Jurista

Esta questão tem aspectos muito importantes e outros que pouco interessam. O aspecto jurídico, por exemplo, é a mais pobre das abordagens porque, como se sabe, o casamento e a família são realidades anteriores ao Estado e a sua relevância não advém de sobre elas se ter legislado, pelo contrário, legislou-se porque essa relevância social, que já existia, foi reconhecida pelo legislador. O casamento e a família são o que são, o que sempre foram ao longo dos tempos, só que agora pessoas do mesmo sexo querem casar-se. Pensar que para isso basta alterar a lei é uma falácia, já que a lei alterada não muda o casamento nem a família, mas cria uma outra realidade que não é, por natureza, nem uma coisa nem outra.

Não vale a pena dizer que uma família é aquilo que cada um quiser (eu, o meu cão e o meu canário?); nem contornar a bicuda questão da adopção, na qual o melhor interesse da criança sempre se sobreporá a construções teórico-jurídicas de duvidosa sustentabilidade; ou minimizar esse efeito, comparando esta adopção e os seus riscos com a romanceada situação das crianças institucionalizadas – sós, famintas, negligenciadas – como se fossem cães num canil. Nem fugir, e percebe-se bem porquê, ao ponto crítico da poligamia. Todos sabem que isto é assim.

É certo que pessoas do mesmo sexo vivem em união de facto e não há que escamotear essa realidade ou desproteger situações que merecem protecção jurídica. Foi para acautelar estas situações que se aprovou uma lei. Recordo- -me bem, pois à época era deputada e participei nos trabalhos parlamentares que conduziram à sua aprovação. Afinal essa lei não serviu para nada, como se vê, porque para os que então a queriam o casamento surge, agora, como a única resposta aceitável.

Então, porque querem casar os homossexuais? Esta, sim, é que me parece a primeira questão digna de meditação. Num tempo em que cada vez menos casais heterossexuais se casam, em que aumenta o número de divórcios e é consagrada a união de facto, este desiderato parece estranho. Nos países (poucos) em que a lei foi aprovada verificou-se que o número de casais homossexuais que contraíram matrimónio foi diminuto. Porquê? Talvez que, uma vez aprovada, a lei tivesse deixado de ser importante para uma parte significativa desses homossexuais; talvez que o importante fosse a lei e não o casamento, tal como, aliás, se passou com as uniões de facto.

Então, porque querem tanto a lei os homossexuais? Esta é a segunda e a mais importante das questões que o tema levanta: a simbologia. Na busca de um estatuto de respeitabilidade, os homossexuais exigem um símbolo suficientemente forte para afastar os fantasmas da diferença, da discriminação implícita, de uma situação apenas consentida, do medo da homofobia, da suposição do desprezo, da condescendência hipócrita. Só a institucionalização por via do legislador de uma igualdade de acesso ao casamento, destruindo os pilares fundamentais e distintivos desta realidade antropológica e social, criando uma ficção onde todos são igualmente incluídos, os pode securizar.

Parece-me desmesurado e, ao mesmo tempo, contraditoriamente patético. Obriga-me a pensar que no fundo de tudo isto há muita humilhação, muita insegurança e decerto muita dor. E os porta-vozes dos homossexuais, numa espécie de autoflagelação exibicionista, têm contribuído para esta humilhação, levando-me a duvidar, em alguns casos, sobre o que é que realmente os move…

Se a lei for aprovada, assistiremos a alguns casamentos que, pela sua novidade, serão objecto de uma forte mediatização, mas a questão de fundo fica por resolver. Para ser franca, e tal como está colocado, o problema não tem solução. Porque aquilo que é diferente não pode ser igual. Nem simbolicamente e menos ainda se o símbolo é usurpado.

“…ao ponto crítico da poligamia.” – Ai, que já estamos a baralhar tudo.

“Porque aquilo que é diferente não pode ser igual” – Porquê?

Tanta ironia, meu Deus!

Pérolas… Prós e Contras

2571483

Foto de ENTRE AS BRUMAS DA MEMÓRIA

Adenda : Origem da imagem de mmbotelho


Sou ums seguidora do twitter, gosto de andar por lá e de deixar os meus pareceres ou novidades quando me parece conveniente.

O senhor da foto postada é deputado, na minha opinião, deve honrar a posição que lhe foi incubida pelos cidadãos que depositaram confiança no mesmo. Não, não estou contra a opinião do senhor deputado, cada um tem a sua e respeito. Não posso é conceber que este tipo de comentários venham de pessoas com o cargo do Pedro Duarte, enfim,  assim vai a nossa classe política…